segunda-feira, 17 de março de 2014

A vida resumida em aplausos

               Foi ao atualizar a página de um site de notícias que me surpreendi com a foto de Paulo Goulart estampada e um texto no qual ninguém gostaria de ler:Paulo dava adeus à família e aos tantos fãs que conquistou durante sua carreira.
                Quando alguém morre,quase imediatamente nossa memória nos remete aos momentos que passamos junto com aquela pessoa ou os momentos que pudemos acompanhar um pouco da vida dela.
                Paulo era um ator famoso e logo, distante da minha realidade, no entanto, foi numa tarde em que pude conhecê-lo pessoalmente, mais especificamente no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, que nossos destinos cruzaram, por um breve momento.
                Ele poderia ser apenas mais um artista no qual admiro e deslumbro ao ver pessoalmente, mas o senhor Goulart foi diferente, bem diferente.
                Os famosos estão acostumados(ou deveriam estar talvez) de sempre que aparecem em público, atraírem olhares curiosos de anônimos e admiradores ao mesmo tempo.
                Naquela tarde Paulo Goulart e Nicette Bruno desembarcaram no Aeroporto e atraíram vários olhares e o que me despertou ainda mais admiração foi um pequeno gesto do casal:os dois muito sorridentes acenavam para as pessoas, num gesto de educação, mas principalmente, de agradecimento.
               Certa vez vi uma entrevista de um ator que estava no auge da sua carreira e quando perguntado sobre fãs, afirmou que não entendia o motivo das pessoas terem tanta curiosidade em ver artistas de perto.
              Respondo essa pergunta com facilidade!
              Os espectadores acompanham os artistas em programas e novelas e dividem com eles, de forma indireta, aquilo que estão sentindo naquele momento. Vera Fisher e Antonio Fagundes já foram válvulas de escape para mim, quando terminei um relacionamento ou quando estava triste com algum acontecimento do meu dia.
             Dessa forma, tornamos o artista do outro lado da tela, especial e importante, por reconhecermos não somente o seu talento para as artes cênicas, mas também, por ser um dos responsáveis de nos manter bem, naquele instante que ninguém conseguia.
           Vá com Deus Paulo Goulart e muito obrigado por seguir seus sonhos e proporcionar ao público o seu brilhantismo artístico!

Felipe Lucchesi
               

Um comentário:

Lucas Santos disse...

Bem por aí...

Fiquei triste com a morte dele. O cara se mostrava gente boa e cavalheiro. :\