sábado, 30 de janeiro de 2010

Chuva e mais chuva!

A chuva constante que insiste em cair em São Paulo, parece não haver prazo para terminar de desabar suas águas. Enquanto isso, pessoas são ilhadas em suas próprias casas, sem perdas e muito menos ganhos, porque perder, já perderam tudo e ganhar, não ganham mais nada se não desculpas esfarrapadas de políticos e promessas não cumpridas de outros políticos.Todos se rendem aos céus e pedem ajuda, essa sendo agora, a única solução.

Felipe Lucchesi

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Sufoco

O salário mínimo pouco aumenta, mas a passagem de ônibus e metrô continuam à caminho de um maior valor de anos em anos. Se ao menos a qualidade de ambos os transportes melhorasse, mas nem com isso podemos contar. Se o valor do ônibus e do metrô voltarem a ser iguais, assim como foi em 2006, nesses dois meios de transporte teremos grandes acúmulos de pessoas, que ao se depararem com o trânsito das ruas, vão todas em busca do metrô e ao ter algum problema técnico no metrô, vão em busca dos ônibus.
Planejamento e preocupação com a situação da população diariamente nos transportes públicos parece não haver, mas a correria e propaganda para a Copa do Mundo no Brasil nunca param.

Vivemos para pagar taxas ou pagamos taxas para vivermos?

Felipe Lucchesi

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Respire e siga em frente!!!

Depois de uma longa inspiração para suportar duas grandes festas:Natal e Ano Novo, finalmente o ano começa...Quer dizer, alguns afirmam que apenas depois do Carnaval o ano começa de fato, mas então, o que estamos fazendo de proveitoso enquanto isso?
Tendo começado ou não ainda, o planeta está girando e o tempo passando. Os momentos felizes, tristes, notícias boas e tragédias anunciadas não esperam o ano começar para continuarem acontecendo. A paz, tão pedida por todos em cartões de Natal e Ano Novo, parece não existir fora de nossos corações. Ela entrou em extinção e junto com ela também estamos entrando, por conta dessa guerra eterna que há no mundo inteiro diariamente.
O sorriso existe para suportar a lágrima que é constante em nossos dias, sejam elas por problemas pessoais ou problemas sociais que somos obrigados a enfrentar.
A esperança por um mundo melhor não morre mas diminui. O tão futuro esperado que idealizam, sem guerra, sem violência, com alta tecnologia e cura para graves doenças, está bem distante do futuro próximo que construímos diariamente.
Quem está errando nessa obra chamada:”vida”?
Eu, você, ele ou nós?
Isso não descobriremos!
O calendário mudou, as pessoas pouco mudaram e o mundo sim mudou, talvez para muito pior que um dia de fato existiu para vivermos nele.

Felipe Lucchesi