terça-feira, 23 de junho de 2009

Jornalista sem diploma é antena sem tv

A decisão radical e não pensada do STF(Supremo Tribunal Federal) de resolver suspender a exigência do diploma para ser exercida a profissão de jornalista causou alarde não somente para os jornalistas como também para toda a população. Será que agora todos nós somos jornalistas? Qual o motivo de tanto alarde?
De acordo com o STF, todos os cidadãos têm liberdade de expressão e o mesmo ainda afirma e considera, que a profissão de jornalista é baseada e sobrevive apenas por esse motivo.
Na minha opinião, liberdade de expressão não deve ser confundida com liberdade de invasão, ou seja, não é pelo fato de eu ter liberdade de expressão que agora posso vir a ser considerado e desempenhar tarefas como: político, jornalista, senador , etc.
O STF se engana ao afirmar que o jornalista tem liberdade de expressão. O jornalista tem como objetivo passar a informação da melhor maneira possível, não se envolvendo com as notícias de forma alguma e principalmente, tendo estudado a história em si que levou até o fato que fez a notícia virar foco das manchetes.
O escritor sim tem uma grande e total liberdade em escrever tudo o que deseja, pensa e acha. Ele não se limita em depositar sua opinião pessoal sobre algum fato, pelo motivo de não estar "gerando uma notícia" e sim, comentando uma notícia que já fora "gerada".
O jornalista se tivesse essa mesma atitude, passaria a notícia de uma forma construída e se distanciando do fato verdadeiro, por já estar sua opinião envolvida, fazendo com que todas as pessoas que acompanham as informações que giram o planeta através dos meios jornalísticos não soubessem das notícias de uma forma pura e concreta, não podendo dessa forma, se envolverem e terem sua própria opinião pessoal, pelo fato da notícia vir com apenas uma visão sobre o caso noticiado.
É preocupante o que talvez estaremos por enfrentar daqui para frente com essa decisão.
Será que o que leremos daqui para frente será uma notícia ou simplesmente um fato misturado com uma opinião de alguém com liberdade de expressão?


Felipe Lucchesi

16 comentários:

Lari. disse...

Embora nem todos se oponham à decisão do STF, a maioria que eu conheço é contra. Eu mesma escrevi um pouco a esse respeito.
Por mencionar, acho essa decisão uma total e descarada falta de respeito com o Profissional do Jornalismo. É lamentável. E é polêmico por vários motivos... O que mais me chateou foram as palavras usadas pelo Ministro Gilmar Mendes para se referir à profissão. Comentários infelizes já são de praxe na polítca brasileira.
Talvez ele devesse se candidatar a um cargo de jornalista e mostrar lá o seu profissionalismo nato, com suas colocações imparciais. "/

Vivica Bolacha disse...

Vai tudo virar uma zona. vai depender dos veículos de comunicação se preocuparem em valorizar e buscar os profissionais com qualificação. Só assim para aqueles que se dedicam aos estudos terem seu espaço garantido.

Abs.

http://cobertodefarrapo.blogspot.com

Agatha disse...

Tem o lado bom e ruim, o ruim é que agora vai chover de gente querendo ser.

A boa é que quem tem o dom, terá seus talentos expandidos já que escolas, algumas vezes cessam o poder criativo do indivíduo.

Pedro Favaro disse...

A informação é a maior arma do povo, das pessoas e permitir que ela seja transmitida por pessoas menos do que QUALIFICADAS é por si só uma tática para possibilitar a desinformação pelos políticos.
Ridículo, como sempre.

Queer Cinema Existe? disse...

Caro Felipe, vc que está querendo engressar na carreira acadêmica e achava ou ainda acha que o curso de jornalimo é um majar dos deuses saiba que não é!!
Mais se desaprende do aprende neste curso. A capacidade de escrever, de ser eloquente, de se comunicar é inata da pessoa, pode-se fazer até um cursos para melhorar isso, mas grandes comunicadores nascem assim. Não será um curso de 4 anos que te fará um grande comunicador.
O que o curso de jornalismo faz com os seu bachareis é ensinar técnicas de comunicação como pirâmide invertida, como atingir seu público e etc. Se você realmente quer escrever com maestria e quer ser um interlocutor para muitos, faça Letras numa excelente universidade como a PUC/USP/UNICAMP daí eu te garanto que vc melhorará e muito sua capacidade de raciocício e poderá escrever e falar como poucos, pois nestes lugares há grupos de estudo e uma rica vida acadêmica que te emerge dentro do foco que você achar mais propício.
Para aqueles que se gabam em dizer que existe linguágem jornalística, isso não existe, e não sou eu quem afirma, doutores em letras dizem em alto e bom tom . A linguagem de cunho jornalístico é a linguagem do cotidiano, que as pessoas estão acostumadas a ouvir e falar do contrário elas não entenderiam as notícias.
Quem Seleciona os profissionais dentro de um ambiente de cominicação não acredito que mudará muito seus critérios quanto a qualidade do mesmo. Existem Antropólogos, Economistas e Advogados que enveredam para as comunicações.
Para concluir, a prória Folha de S.Paulo quando faz sua seleção para trainnes nao faz questão do curso de jornalismo, há anos, mas de um proficional qualificado para o caderno que irá trabalhar.
Pense nisso?

RodrigO [PortugA] disse...

É uma falta de bom senso incrivel essa decisão. Uma falta de respeito enorme com uma classe tão importante na nossa sociedade. Po essas e outras que nosso país cada vez mais perde credibilidade.

J@de disse...

Eu já esperava um novo Febeapá por aqui... é triste!
Beijos!!

Carol ** disse...

Eu, como estudante de Comunicação, embora não de jornalismo, achei mais do que equivocada essa decisão. O pior ainda é ouvir q tem gente q concorda com isso. O que me deixa mais revoltada com essa situção foi o que eles alegaram "q todos tem o direito de se expressar" OK.Temos mesmo. Mas é muita falta de respeito com um profissional que teve q estudar, batalhar, se aprimorar para chegar em certas posições, e de uma hora pra outra esse profissional ouve q de nada vale seu diploma e q sua qualificação foi em vão! Francamente, tanta coisa importante que precisa ser discutida e eles ocupam o tempo com esse tipo de votação.

Silvio Koerich disse...

Pra quem é jornalista saem perdendo muito, pra quem não é e tá no meio ganham, pra quem gosta da área e tem talento, é bom. Vários grupos foram afetados realmente com a decisão e resta saber o que será o melhor.

Passa no meu blog e vê se tu curte tô te seguindo agora.

Danilo Moreira disse...

Apesar de fazer RP, tenho que deixar registrado a minha indignação sobre essa decisão.

Obvio que no passado grandes jornalistas n tinham faculdade, porém o que me preocupa é que essa decisão poderá dar liberdade a aqueles que formam opiniões deturpadas e a favor de um sistema que quer deixar o cidadão informado mas nao levá-lo a pensar, afinal, quem pensa, logo, existe...

Abçs!!!

http://blogpontotres.blogspot.com/

atualizado!!!

Benjamim disse...

Interessante, eu era a favor da decisão até ler este post. Legal o seu ponto de vista, Felipe e você tem uns argumentos bons. Realmente, me pergunto o que será feito das faculdades de jornalismo espalhadas por aí. Mas vale a pena pensar nisso: até que ponto o jornalista consegue passar a notícia de modo verdadeiro e intocado pelo seu posicionamento pessoal? Acredito que a imparcialidade é impossível. Legal o post!

www.omalucosadio.blogspot.com

Edson Costa disse...

Muito já falei, muito já briguei. Comunidades, sites, fóruns... todos que apareciam eu me posicionei firmemente. Sou terminantemente contra. Inclusive fiz uma matéria para o meu blog, onde abordei alguns pontos diferentes dos que o Felipe citou.
Prefiro não chover no molhado, apenas manifestar meu repúdio a essa decisão. Mais no meu blog.

http://acadamica.blogspot.com/

Beatriz disse...

E por que ao invés de tomar certas decisões, ao meu ver, equivocadas, por que não se preocupam com a miséria, a corrupção(apesar de já ser clichê), péssimas condições de trabalhos e afins? Chateiam e revoltam a população, principalmente aqueles que vêem força nas palavras... Uma posição extremamente ridicula do STF e o meu achometro acusa: não mudará em nada, na hora da contratação, de certa forma, preferirão aqueles que tem uma formação e que saibam o que e como estão fazendo.
E a tal liberdade de expressão que eles dizem,não é total como tentam mostrar, pra mim, ainda é parcial!
Belo texto

beatriz-farkas.blogspot.com

Marcos Freitas disse...

O mercado saberá separar os bons profissionais, tendo diploma ou não.

Malu Paixão disse...

olá felipe...
olhaa, genial a última frase, assim como o texto todo. Mas vindo de vc já era de se esperar!
estava com saudades de passar por aqui!
fica bem! boa semana..
bjoss

KINHA disse...

Estou aqui para fazer-lhe uma proposta, que eu considero interessante.Também sou TOP 100 e estou concorrendo na categoria "VARIEDADES" e estou na campanha "UM VOTO POR UM VOTO".O legal disso tudo é essa interação,eu conheço seu blog e vc, o meu.Já votei no seu e sei que também que receberei seu voto.
Estou te seguindo e se quiseres me seguir, ficarei honrada.Dia 19/07 o blog AMIGA DA MODA estará estará comemorando sua 100º postagem.Venha apanhar um brinde, com assinatura de um design.Sua presença é muito importante para nós.
Obrigada